domingo, 4 de dezembro de 2011

Poema: Passarinho

Parte IV: A bomba que deixou de viver.

Quero ver-te donzela,
Que talvez tão bela um dia mostrou.
Queria poder tocar-te,
E que divina arte destino lhe pregou.

Virgem moça, querida,
Deixou sua vida para, então, viver.
Trocou o real pelo irreal,
Afinal: decidiste morrer.

E em seu desejo profundo,
Meu Deus, mais que mundo tão podre é este!
No seu ensejo da alma,
Em sua divina calma tu, anjo, pereceste.

Conto ao leitor já loucado,
Que neste rebuscado poema escrevi.
E falei de uma bela criatura,
Que em sua feitura era a pomba que vi.

Exacto,
Leitor inacto que me quis ler.
O passarinho aqui é uma pomba,
E que como uma bomba deixou de viver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe um comentário no meu blog, não custará nada. Às vezes, leitor, é bom expressar nossos pensamentos.